Eu idealizo, tu idealizas, ela idealiza

Padrão

“Sonho é uma coisa super comum, a gente tem desejos, vontades, quer correr atrás, muitas vezes consegue, muitas vezes não, aí a gente cresce, muda de sonho e começa tudo de novo, isso mesmo, como em um ciclo vicioso”.

G. tem 18 anos recém-completados e ingressou em uma das faculdades federais mais concorridas do País. Mas não é a esse sonho que ela se refere na carta que me enviou.

“O dia mais esperado há tempos, finalmente havia chegado. O show começou e eu não acreditava que meu sonho estava tão perto, porém tão distante ao mesmo tempo. Você pode acreditar, eu como super-ultra-megablaster-plus-advanced-máster fã, não chorei durante o show. O show acabou, saíram do palco, aquela conversa baixinha foi aumentando e então percebi que não havia mais nada. Ninguém no palco, nada de guitarras tocando, nada do som da bateria, nada de baixo. Então eu me sentei no chão e chorei, chorei tudo o que eu havia guardado dentro de mim”.

G. era uma daquelas milhares de meninas, muitas ainda crianças, que choravam, me imploravam por um gole d’água e eram retiradas pelos seguranças passando mal, esmagando-se umas às outras. O que as reuniam naquela noite? O show do McFly, uma das boy bands do momento.

G. é a representação perfeita da necessidade humana de idealizar. Quem nunca idolatrou aquele gatinho pop star-celebridade-modelo-ator? Que atire a primeira pedra quem nunca sonhou em chegar perto de Brad e Tom. E se não fosse essa nossa capacidade de iconização, o reinado dos garotos populares nos colégios chegaria ao fim.

Encontramos casos parecidos com o de G. na religião. Fanáticos que entregam 10% da renda mensal para ajudar na manutenção da Casa do Senhor e seguem à risca os mandamentos de suas Igrejas, não se entregam aos prazeres da carne e ainda acham que comer um chocolate sem ter fome significa o pecado da gula. A única diferença, nesse caso, é que o ídolo não é mais McFly. É o “Pai nosso que estais no céu”.

A edição de maio da revista Super Interessante publicou o resultado de pesquisa do Instituto de Saúde dos EUA (NIH) que confirma que nossos cérebros já nascem predispostos a acreditar em Deus. Quando as pessoas pensam em Deus, de acordo com o NIH, ativam os mesmos neurônios que possibilitam a capacidade de entender o que outras pessoas estão sentindo e simpatizar com elas. Com a criação de sociedades mais complexas, quem tinha o cérebro mais crente se sobressaía: acreditava em mitos e era mais sociável. Hoje, mesmo com o avanço da ciência, a crença no sobrenatural ainda é mais do que comum.

O fato é que precisamos acreditar, sonhar, idealizar, iconizar. Precisamos criar expectativas, esperar que algo seja perfeito, do jeitinho que imaginamos, a garantia de uma luz no fim do túnel. A palavra é… PRECISAMOS. Afinal, a vida seria vazia sem isso. Vai dizer que sua vida teria graça sem sonhos e expectativas? Sem ter algo a que se apegar, seja o McFly, Deus, aquela linda viagem ou o emprego perfeito?

Mas toda cautela é pouca. Com tanta idealização, é fácil, fácil quebrar a cara. E até a G. sabe disso. “A questão é que eu aprendi que chorar não resolve problemas, e que esperar o Danny Jones cair do céu para casar comigo é pura ilusão”.

Ah se a G. soubesse que Danny Jones é baixinho, tem cabelo seboso, cobre as espinhas com pó compacto e tem dentes amarelados…

 

Por Aline Shiromaru, convidada especial do Palavra Final.

Anúncios

»

  1. hahahaha
    mto bom, Li. as palavretes é que ficam honradas com sua presença literária!!!

    e vc não acredita…
    ontem rolou encontro dos Caprioli e agora eu tenho primas adolescentes, né? todas têm entre 13 e 16 anos e, claro, amam McFly. Não amam assim que nem a G., mas passaram ums boas 6 horas na fila pra entrar no show. elas me disseram que algumas meninas dormiram na fila e, na hora do show, desmaiaram pq não tinham dormido nem comido. e, o pior, os pais ficaram junto na fila o tempo todo!!!! uma maluquice só…

    ah, uma coisa engraçada!! elas viram um grupinho de meninos que eram tipo cover da banda…e eles “vendiam” beijos por R$0,50. hahahahaha
    imagina isso!!! eu adorei esse tino pros negócios dos garotos! hahahahaha

    ps.: vou falar pra elas que o cara é seboso!!!! hahahaha

  2. Vejam só!!! Essa que vos escreveu é MINHA FILHA, com letra maiúscula mesmo!!!
    Imaginem o tamanho do meu orgulho??? Não, vocês não iriam nem chegar perto….rsrsrs…..
    E literalmente, nossa vida não teria graça nenhuma se não tivéssemos sonhos e expectativas, lógico que quanto mais baixas forem nossas expectativas, melhores serão os resultados, então sonhem, esperem, realizem e corram atrás de tudo o que lhes é de direito. E NUNCA se arrependam do que não fizeram.

  3. Aline,
    adorei o texto!

    Nao sei quem sao esses meninos, mas ate hoje eu morro pelo Justin Timberlake. hahaha

    E sim, vida sem crenca ou sonhos, eh vida vazia.

    Sonhemos, idolatremos, acreditemos! ;]

  4. que linda a mamãe Aline comentando aqui no nosso blog!
    Adorei o texto e super me reconheci quando eu era fã de Hanson… hahaha vim com a minha irmã de busão sozinhas lá de Cpo Gde pra ver o show deles aqui em SP!
    E não me arrependo e nem me envergonho de nada… foi uma época linda e que valeu mto a pena!

    Ótimo tema abordado. Adorei!
    Bjo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s