Férias urbanas

Padrão

Pessoal, desculpem a falta de pontualidade. Estou de férias… urbanas!

Pelo menos foi assim que a minha família abordou a seguinte notícia comigo: “Então, Má… sua irmã está de férias e fará uma viagem com a mamãe. Já o papai ultrapassou todas as metas lá no trabalho e, como reconhecimento, ganhou uma viagem de cinco dias para a Bahia. Você… bem… você estará de férias… urbanas!”.

Ahm. Então tá. As minhas férias praianas, campestres, montanhescas ou simplesmente caseiras eu nem sei quando serão concedidas. Mas, de fato, sem mamãe, papai e irmã mais velha, estou de férias. Férias da comida quentinha, da possibilidade de pegar aquele cinto emprestado com permissão e da carona matutina até o ponto de ônibus.

O balanço geral até agora foi: muitas calorias ingeridas (ah. Jura que não é saudável uma alimentação à base de chocooky e miojo três dias seguidos?!), um resgate à minha infância (quando eu adorava dormir na casa da minha tia, no colchão jogado no chão do quarto da minha prima mais velha, que tinha todas as bijuterias, bolsas e óculos rosa com estampa de zebra que eu amava), unhas do dedão do pé roxas (claro que na minha mala só coloquei vestuário adequado para os 28º que a Josélia Pegorin me prometeu), franja tão ondulada quando o resto da juba (alguém sabe onde fica o secador no banheiro da tia?!) e, claro, aquela pontinha de saudade de dizer bom dia mal-humorada para quem me pôs no mundo e me agüenta até hoje.

Pois saibam que, nas minhas férias urbanas, só esqueceram de incluir as férias. Diga-me aí você: tem coisa mais urbana do que pagar conta de cartão de crédito pro pai? Ou tentar falar com as outras duas mulheres com o mesmo sobrenome que eu e topar com dois celulares na caixa postal, enquanto se deliciam em praias quentinhas e tomam água de côco geladinha?

Que me perdoem os deuses do trânsito e da meteorologia maluca; peço perdão aos funcionários de colete amarelo do metrô e dos adolescentes que furam o passe da Ponte ORCA (alguém consegue me explicar pra que serve aquele furinho?!) mas… será que não dava pra trazer um pouco das areias finas e do Sol da Paraíba pra cá?! Quem sabe os orixás baianos dão uma forcinha…

Por Má-Má.

»

  1. Excelente exemplo de como se dar uma notícia ruim de forma que parece boa! Ainda que “urbana” a palavra férias nessa conversa aí aposto que deu uma animada, vai…

    Adorei essa história aí! Será que vão rolar umas rendas e uns acarajés de lembrancinha? heheh

    Acarajé? Rota do Acarajé?

    =]

  2. hahahahahaha

    Nossa, há quanto tempo não consigo passar por aqui! Só na correria!

    Minha casa está de portas abertas pra vc passar suas férias urbanas tbm, viu?! ahahahahahahaha

    Beijoooo

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s